Navegam ao meu lado...

Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós.
Deixam um pouco de si. Levam um pouco de nós.
Antoine de Saint Exupéry

Translate to Arabic Translate to Bulgarian Translate to Simplified Chinese Translate to Traditional Chinese Translate to Croatian Translate to Czech Translate to Danish TTranslate to Dutch Translate to English Translate to Finnish Translate to French Translate to German Translate to Greek Translate to Hindi Translate to Italian Translate to Japanese Translate to Korean Translate to Norwegian Translate to Polish Translate to Portuguese Translate to Romanian Translate to Russian Translate to Spanish Translate to Swedish
Download this Cross-Cultural Communication Tool from Get International Clients

Cristo é a operação combinada — o encontro do finito com o infinito, tempo e eternidade se encontrando e se fundindo. Osho

TENHA UM TEMPO FELIZ!

"Diante da vastidão do tempo e da imensidão do universo, é um imenso prazer para mim dividir um planeta e uma época com você." (Carl Sagan)

EU ME SINTO GRATA E HONRADA...

EU ME SINTO GRATA E HONRADA...
...POR TODOS OS QUE AMOROSAMENTE SEGUEM ESTE BLOG!
"O ser integral conhece sem ir,
vê sem olhar e realiza sem fazer."

Lao Tzu

♥ BOM DIA ALEGRIA... BOM DIA SOL....a única sensação que tenho é que estou com os pés na areia...o resto de mim anda por aí em uma velocidade estonteante... e isso me dá ALEGRIA!!!

"Fala-se tanto da necessidade de deixar um planeta melhor para os nossos filhos, e esquece-se da urgência de deixarmos filhos melhores para o nosso planeta." autor desconhecido

POIS É...

POIS É...

"...Só aqueles que compreenderam que devem procurar o infinito, o ilimitado, o que está além do tempo e do espaço, se sentem vivos, porque a vida verdadeira é a imensidão, a eternidade. Nunca vos refugieis naquilo que é acessível, limitado: abarcai o infinito e a vossa alegria também será infinita. Será a felicidade, a luz, a força, o dilatar de todo o vosso ser." Omraam Mikhaël Aïvanhov

Pesquisar este blog

segunda-feira, 25 de agosto de 2008

“Entre a raiz e a flor há o tempo”

Olho de devorador de jornal é o primeiro, que vê as coisas efêmeras que logo estarão esquecidas.
O outro é o olho que vê as coisas que não envelhecem e ficam sempre jovens. Quem vê com o segundo olho são os poetas.
Livro de poemas não fica velho, Chronos não pode com ele.
Os gregos tinham consciência desses dois tempos e usavam palavras distintas para cada um deles.
Chronos era o tempo medido pelas batidas do relógio e marcado pela rotação dos astros.
Kairós era o tempo medido pelas batidas do coração e marcado pela pulsação da vida.
Rubem Alves

RocksandflowersdeMikeMills.jpg

Até que a semente se desenvolva e chegue à flor existe o tempo, a qualidade desse tempo e como é experienciado.
Sabemos que o bebê necessita do intervalo entre as atividades para que possa interiorizar a experiência vivida e registrá-la em sua psique através do corpo. Depois de mamar, existe o tempo de acolhimento no colo da mãe até que dê sinais de que a experiência foi digerida. É aquele pequeno arroto que todos esperam antes de colocá-lo no berço novamente.
Depois de assistirmos a um filme, de vivermos alguma experiência significativa, precisamos de um período de tempo para que possamos absorver as sensações, as imagens, deixar que elas se assentem dentro de nós, que promovam reflexão, transformação.
Existe um tempo cronológico, nome este que vem de Chronos, deus grego, que reinava absoluto por engolir todos os filhos ao nascer até que sua esposa Réia, cansada de se submeter, entrega uma pedra no lugar de Zeus, seu último filho, que ao crescer depõe o pai e inicia um reinado frutífero povoando o Olimpo com seus filhos.
Este é o tempo da nossa sociedade, o tempo cronológico, contado, medido, seqüencial, aonde a vida concreta acontece. Em homenagem a Chronos criamos os mais variados tipos de relógios, alarmes, despertadores para que pudéssemos regular o tempo de duração das experiências.
Em contrapartida, temos Kairós, expressão grega para aquele tempo em que algo especial acontece. Enquanto Chronos é o tempo de natureza quantitativa, o “tempo dos homens”, Kairós é usado para descrever a forma qualitativa do tempo, “o tempo de Deus”. O tempo de Chronos tem 24 horas e regula nossas ações enquanto determina a hora para acordar, tomar café, ir para escola, trabalhar e o tempo de Kairós significa “o momento certo”. Não existe relógio ou aparelho para medi-lo porque é subjetivo.
Este tempo da raiz até a flor é um misto de Chronos e Kairós, que juntos mantêm um ritmo e uma profundidade para nossas vidas. Com a rapidez da tecnologia, Chronos volta à sua qualidade tirânica, nos absorvendo em atividades e engolindo nossas possibilidades para reflexão e subjetividade. Corremos o risco de nos tornarmos todos automatizados, com respostas idênticas, expressões massificadas, pensamentos comprometidos com as tarefas e pouco envolvidos com a essência. Nossas expressões são engolidas por Chronos quando não temos tempo nem paciência para escrevermos uma palavra inteira. Nosso vocabulário está sendo engolido, reduzido a caracteres que mais parecem códigos secretos e nesta rapidez de MSN, torpedos, vamos acelerando e talvez correndo o risco de nos distanciarmos para a superficialidade gelada e monocromática. Toda nossa individualidade, nossa essência mais sagrada, entregamos a Chronos. Nesse sentido, nos reduzimos a Réias submissas, oferecendo nossa singularidade para ser devorada pela modernidade e suas imposições.
Somente Kairós poderá nos salvar, na medida em que nos oferece oportunidade para reflexão e insight. Quando abrimos espaço para a meditação, para o imaginar, para o silêncio criativo após uma experiência, uma dificuldade, uma dúvida, estamos criando um ambiente propício para Kairós. Quando oferecemos oportunidade para a compreensão de algum desconforto ou de uma intensa alegria, para “colocar cada coisa em seu lugar”, concedemos um tempo para o psicológico, para nosso mito pessoal, para vivências individuais carregadas de densidade dramática, para o nosso drama pessoal e fundamental.
Existe o tempo de Chronos e Kairós, existe um tempo para construir e outro para o aprofundamento criativo. Há um ritmo entre eles e um entrelaçamento dessas duas instâncias.
Cultivar a flor é cultivar a alma, a singularidade, é respeitar e valorizar a semente que um dia foi colocada no ventre de nossa mãe.
Carlos Drummond de Andrade


A narrativa mitológica é bastante rica em imagens arquetípicas que oferecem metáforas criativas para pensar a experiência e as relações humanas. Uma dessas imagens, o mito de Cronos, historicamente tem sido associada a uma dimensão da temporalidade humana.

Segundo a mitologia grega (GRIMAL, 1992), Cronos é filho de Urano e Gaia. Urano ocultava sistematicamente seus filhos, ao nascerem, no corpo de Gaia. Revoltada, ela convence Cronos a enfrentar Urano. Ao lutarem, Urano acaba sendo castrado por Cronos, que assume o poder. Ele se casa com Réia e têm vários filhos. Mas, ao tornar-se o soberano, Cronos aprisiona seus irmãos e passa a devorar sistematicamente seus próprios filhos logo após terem nascido, por receio a uma profecia lançada por Urano, segundo a qual Cronos também seria destronado por um filho. Entretanto, um dos filhos de Cronos, Zeus, nasce e refugia-se em uma gruta, onde cresce em segurança. Mais tarde, Zeus enfrenta Cronos, e o faz libertar os outros filhos que havia engolido.

O mito de Cronos oferece elementos simbólicos interessantes a serem explorados para pensar algumas qualidades que o tempo pode assumir, sobretudo como instrumento de poder. A castração de Urano, por exemplo, representa o estancamento da intuição e da criatividade, capazes de antever o futuro. Por outro lado, ao engolir seus filhos, Cronos busca preservar o poder, controlando possibilidades e estabelecendo limites para o futuro. Mas Cronos é incapaz de controlar totalmente as possibilidades do futuro representadas por Zeus, que em silêncio, aguarda uma oportunidade para manifestar-se.

Cronos também representa o olhar crítico daquele que avalia possibilidades e limites. Ele simboliza a percepção ou delimitação das circunstâncias temporais (SULIVAN, 1992). As noções de limitação e delimitação estão em estreita relação com à noção de tempo cronológico.

O termo Kairós refere-se tanto a uma personagem da mitologia, quanto uma antiga noção grega para referir-se a um aspecto qualitativo do tempo. A palavra Kairós, em grego, significa o momento certo. Sua correspondente em latim, momentum, refere-se ao instante, ocasião ou movimento que deixa uma impressão forte e única para toda a vida (WEBSTER, 1993).


Na mitologia grega, Kairós é um atleta de características obscuras, que não se expressa por uma imagem uniforme, estática, mas por uma idéia de movimento. Metaforicamente, ele descreve uma noção peculiar de tempo, uma qualidade complementar em relação à noção de temporalidade representada por Cronos.

Kairós refere-se a uma experiência temporal na qual percebemos o momento oportuno em relação à determinado objeto, processo ou contexto. Em palavras simples, diríamos que Kairós revela o momento certo para a coisa certa. Kairós simboliza o instante singular que guarda a melhor oportunidade, ele é o momento crítico para agir, a ocasião certa, a estação apropriada.

Mas Kairós não reflete o passado, ou antecede o futuro. Kairós é o melhor instante no presente. Ele representa um tempo não absoluto, contínuo ou linear, ao contrário do que propõe a concepção newtoniana refletida no tempo cronológico, socialmente estabelecido (ZERUBAVEL, 1982). A dimensão de experiência temporal representada por Kairós instala-se em consonância à totalidade dos elementos individuais envolvidos e à dinâmica de suas relações.

http://www.cursoideb.utopia.com.br/tiki-index.php?page=OS+DOIS+TIPOS+DE+TEMPO%3ACHRONOS+E+KAIR%C3%93S

imagens:google


8 comentários:

Maria Paula disse...

Astrid,

Lindo, lindo.
Pudéssemos ter Kairós sempre ao nosso lado!
Beijinhos

Astrid Annabelle disse...

Sim, Maria Paula, Kairós é o tempo sem tempo...do amor!
Beijão.
Ma Jivan Prabhuta

neo disse...

Astrid
Querida amiga.
Li os dois textos que em tempo Kairosiano teve a virtude de colocar à nossa contemplação do belo, que é tudo o que se refere à Mitologia Grega. Pelos ensinamentos que nos transmite, pela noção de equilibrio, e paz interior face ao desassossego do tempo de chronos. E é de onde nos advém esse desejo de um momento sem tempo, de nos embebermos , ou deixarmo-nos embeber, no néctar absoluto da espiritualidade.
Comoveu-me esta sua explanação, porque foi algo que sempre me moveu, no sentido positivo do ser que vai sendo, o equilibrio. Sempre me moveu em ideia, porque em prática foi chronos quem me regeu e o resultado viu-se!...
Agora estou a tentar recuperar...o Mito e a realidade.
Obrigado por me matar a sede, como se diz por cá.
Beijos de amigo

HighLander77 disse...

Astrid, muito obrigado pelo beijinho que agradeço e retribuo.
É verdade faz tempo. :)
O post e o blog são como voçê... Boa onda! :)

Um abraço muito forte.

Paulo

Astrid Annabelle disse...

Neo, eu fico feliz que gostou.
É impressionante como é bom e fácil sair do tempo de Chronos e ficar no sem tempo de Kairós.
Basta estar presente no agora e sempre.
Beijo.
Ma Jivan Prabhuta

Astrid Annabelle disse...

Paulo,
que alegria ver você por aqui!
Nosso caminho cruza de novo!
Agradeço suas palavras carinhosas e a sua visita.
Um beijo no coração.
Ma Jivan Prabhuta

Maria José Speglich disse...

Entre a raiz e a flor: o tempo e o espaço...
não é de Carlos Drummond de Andrade.

O verdadeiro autor é Jorge de Lima no livro
Poesia completa, org. Alexei Bueno.
RJ: Nova Fronteira, 2008, p.474

Astrid Annabelle disse...

Olá Maria José,
seja bem vinda.
Coloquei para pesquisar a autoria desse texto no Google Pesquisa e confirmou a autoria de Drummond.
Não conheço o autor que cita...
Um beijo
Astrid Annabelle

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

FLORES SÃO SEMPRE UMA ALEGRIA...

FLORES SÃO SEMPRE UMA ALEGRIA...
imagem google imagens