Navegam ao meu lado...

Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós.
Deixam um pouco de si. Levam um pouco de nós.
Antoine de Saint Exupéry

Translate to Arabic Translate to Bulgarian Translate to Simplified Chinese Translate to Traditional Chinese Translate to Croatian Translate to Czech Translate to Danish TTranslate to Dutch Translate to English Translate to Finnish Translate to French Translate to German Translate to Greek Translate to Hindi Translate to Italian Translate to Japanese Translate to Korean Translate to Norwegian Translate to Polish Translate to Portuguese Translate to Romanian Translate to Russian Translate to Spanish Translate to Swedish
Download this Cross-Cultural Communication Tool from Get International Clients

Cristo é a operação combinada — o encontro do finito com o infinito, tempo e eternidade se encontrando e se fundindo. Osho

TENHA UM TEMPO FELIZ!

"Diante da vastidão do tempo e da imensidão do universo, é um imenso prazer para mim dividir um planeta e uma época com você." (Carl Sagan)

EU ME SINTO GRATA E HONRADA...

EU ME SINTO GRATA E HONRADA...
...POR TODOS OS QUE AMOROSAMENTE SEGUEM ESTE BLOG!
"O ser integral conhece sem ir,
vê sem olhar e realiza sem fazer."

Lao Tzu

♥ BOM DIA ALEGRIA... BOM DIA SOL....a única sensação que tenho é que estou com os pés na areia...o resto de mim anda por aí em uma velocidade estonteante... e isso me dá ALEGRIA!!!

"Fala-se tanto da necessidade de deixar um planeta melhor para os nossos filhos, e esquece-se da urgência de deixarmos filhos melhores para o nosso planeta." autor desconhecido

POIS É...

POIS É...

"...Só aqueles que compreenderam que devem procurar o infinito, o ilimitado, o que está além do tempo e do espaço, se sentem vivos, porque a vida verdadeira é a imensidão, a eternidade. Nunca vos refugieis naquilo que é acessível, limitado: abarcai o infinito e a vossa alegria também será infinita. Será a felicidade, a luz, a força, o dilatar de todo o vosso ser." Omraam Mikhaël Aïvanhov

Pesquisar este blog

sábado, 15 de novembro de 2008

Mosuo...O Reino das Mulheres

All persons within each clan-house have the clan name of the eldest woman, the clan mother. These names are, for example: "Tiger Mother," "Snake Mother," "Cougar Mother," "Tree Mother," and so on. The names, as well as the common ownership of the house and the land, are exclusively inherited through the female line.

Fica no Sudoeste da China e é uma das últimas sociedades matriarcais. As mulheres são o sexo forte e decidem a vida de todos. O médico e jornalista argentino viveu entre esse povo e da experiência resultou um livro: O REINO DAS MULHERES.
Em Musuo, mais propriamente na aldeia de Loshui onde viveu, Ricardo Coler encontrou mulheres que são as gestoras e chefes de família, onde não existe casamento, as crianças nunca conhecem o pai e a violência não existe. Esta sociedade onde as mulheres estão no topo da hierarquia é uma das últimas ainda existentes em todo o mundo.
Aqui nenhuma mulher se pode queixar de educação machista, de diferença de oportunidades ou de tratamento desigual. Elas são as únicas proprietárias da casa de família e dos campos e têm a última palavra em todas as decisões. O apelido que usam é o da mãe. São elas que determinam o estilo de vida na aldeia. Aos homens competem trabalhos como a construção de casas.
Mas, apesar de mandarem, as mulheres não valorizam o poder da mesma forma que um homem. O exemplo disso é que “a” chefe da aldeia é um homem. Dizem que eles são mais aptos para funções comunitárias. São questões administrativas que pouco lhes interessam. A figura do chefe carece da importância que tem no Ocidente.
Apartamentos exclusivos para mulheres
Na casa familiar, gerida pela matriarca – geralmente uma anciã, mas que também pode ser jovem - , moram todos os parentes do lado materno, homens ou mulheres, da avó aos netos. Grande parte do espaço é reservado a uma divisão comum, que serve de cozinha, sala de estar e oratório. A esta, vão sendo acrescentados pequenos apartamentos individuais e exclusivos para mulheres acima dos 13 anos, a idade que marca o início da idade adulta. Aos homens é destinado apenas um quarto comum.
Casar é castigo...
As matriarcas ameaçam os filhos com o casamento quando não lhes agrada o seu comportamento. Não existe vínculo formal entre homem e mulher: cada um vive na sua casa e, à noite, eles visitam as mulheres com quem marcaram encontro. Este tipo de relação é chamado “axia”, que significa “relação íntima entre amantes”.
Dentro dos seus apartamentos, as Musuo podem receber visitas com toda a privacidade.
Quando os filhos nascem...
... a mulher fica dispensada dos trabalhos agrícolas durante um ano.
Pai é palavra desconhecida
E não tem qualquer importância social e afectiva. Como o casamento não existe, as crianças nunca chegam a conhecê-lo. As figuras masculinas são os tios, que ajudam a cuidar das crianças, mas com os quais não se estabelecem o mesmo tipo de laços. Só às mães cabe a educação e autoridade sobre as crianças.
Não há lugar à violência
Uma das coisas que mais impressionou Ricardo Coler foi a ausência de violência, física ou verbal. “Não é por medo de serem castigados, é por vergonha. A agressividade é vista como um desonra. A não-violência é uma das marcas dos matriarcados”.
Os Musuo são uma sociedade verdadeiramente solidária, onde os velhos nunca são deixados ao abandono. “Têm um sentido de comunidade muito forte, não existe a competição desapiedada.”
Uma lição de vida
Apesar de já ter visitado outros matriarcados, Ricardo Coler surpreendeu-se com o que encontrou em Loshui. “As Musuo são a mais pura das sociedades matriarcais que visitei. Todos temos ideias que nos parecem naturais e de que nunca duvidamos. Bem... muitas delas desmoronam-se na aldeia das Musuo. Isso fez-me repensar questões que acreditava serem definitivas.” As sociedades ocidentais lucravam em ter mais mulheres no poder? Ricardo é realista: “Não aconteceria só por estar uma mulher no governo. Uma mulher pode estar no poder fazendo o mesmo que um homem. A boa influência não vem da mulher, mas sim do lado feminino de todos os seres humanos.”
Ali “aprendi que há uma alternativa.”

Revista Activa, Outubro/2008 (adaptado)

Mosuo people live all around Lake Lugu and the plain of Yong Ning, few kilometers away from the lake. In the language of the Mosuo, Lake Lugu is called Shinami, which means "Mother Lake"; Shinami is a goddess, too.

Here, at an altitude of nearly 3000 meters, the Mosuo live by gardening and fishing in their sacred lake. Half of the border of the lake (average depth 50 m) belongs to Sichuan Province, the other hallf belongs to Yunnan Province.

The "crocodile" shaped-head peninsula that lies in the Lake.


Typical Mosuo house. Every window is a room where a girl lives.


Another house build at the very edge of the lake.


Men ride these small horses to accomplish their daily duties.

Children help at house-tasks... here, getting a small pig roasted.

The children belong exclusively to the mother and her clan. The brothers of the young women take care of the nieces and nephews, who are regarded as their children, too, because they share the same clan name. The uncles of the children fulfill the role of social fatherhood, which is typical for matriarchal societies. Biological fatherhood makes no sense to the Mosuo, socially or spiritually.

The old lady's house is all made of wood, and in the center of the main room, there is a fire and an autel for praying. A hole in the roof acts as a cheminey.

Above photo is a tomb, holding burried bodies. Mosuos people live next to their dead people. Children make up the fourth generation and are regarded as reborn ancestresses or ancestors who have returned into their own clan. The children come from the realm of the ancestors, not from a man of another clan; therefore they are sacred.
This belief in direct rebirth is basic in matriarchal religion, and the veneration of ancestors is part of this belief. The ancestors, who are held in good memory, will soon come back as little children. As the Mosuo say, "she will come back as a young girl."

Mosuo people's original way to write uses pictograms. These have not changed much through hundreds of years. It exists dictionaries from Mosuo language to Chinese language.
Very early chinese characters, few thousands years ago were pictograms comparable to the above ones, as they were also a symbolic description of natural elements.

At the present time, the Mosuo are under great pressure due to the modern development of China. Their ancient culture is threatened by the continued exploitation of their environment. Roads are being built, electricity installed, and the beauty of Lake Lugu and the "matriarchal women of the Mosuo" are being marketed for Chinese tourism.

To reach Mosuo people's world, get ready to spend 5-7 hours by car from Lijiang city in narrows, zigzagging and somehow uncomfortable and dangerous roads (70% of the way is paved as above). 1/4 of the way is also frequently spread by stones falls from the mountains which scare taxi drivers ....

Mosuo Minority, Yunnan, China


Formatação:
Ma Jivan Prabhuta




8 comentários:

neo disse...

Astrid Annabelle.
Querida amiga, mulher em seu reino maravilhoso. A leitura deste seu artigo encheu meu Domingo, como há muito não acontecia. Eu não conheço qualquer reino ou comunidade de orientação feminina, mas sempre senti que a mulher tem um poder que não tem sido convenientemente reconhecido e percebi,há algum tempo que as relações convencionais que se registam no mundo chamado de civilizado, são contra natura, como os casamentos.
Quanto há não violência, na China podemos encontar os dois extremos do que entendemos por violência, a mais seráfica e a mais sanguinária, sendo que a mais seráfica estará mais de acordo com a civilização de origem Budista.
Tudo de bem para si amiga.
Beijinhos de amigo
joão

neo disse...

Astrid Annabelle. Voltei para falar das imagens, paraísos celestes que os seus olhos catam nas profundezas da informação, com a sua sensibilidade poética.
Beijos amigos

Samsara disse...

Olá Astrid
Que artigo interessante. Estive a ler e parece-me difícil esta realidade existir de facto, por ser tão diferente no mundo real onde vivo, mas existe e de facto concordo com o autor quando diz que o mundo seria um pouco melhor se todos usassem mais o seu lado feminino.
Um beijinhos

maria de fátima disse...

Olá Madrinha Astrid não conhecia esta sociedade matriarcal, achei muito interessante.Beijinhos.

Astrid Annabelle disse...

Neo, eu também fiquei encantada com este artigo...não pelo fato em si mas, pela exaltação ao aspecto feminino tão em falta nesse nosso tempo. Aí eu incluo as próprias mulheres que se dizem modernas e que sequer usam do seu maior atributo...o de ser mulher!
Agradeço seu bonito comentário, como é de seu costume, aliás.
Quanto às imagens sem dúvida são reflexos de um paraíso...só porque o Homem ( = ser humano!) ainda não teve acesso e por isso não conseguiu deixar suas marcas.
Um beijo.
Astrid

Astrid Annabelle disse...

Sam querida...adoro receber seus comentários!
Como pode perceber, nessa vida existem infinitas possibilidades!
Ser feminino...um artigo de luxo nesses tempos atuais!!!!
Um beijo agradecido.
Astrid

Astrid Annabelle disse...

Maria de Fátima!
Muito interesante sem dúvida! E deixa margem em que pensar!
A energia feminina precisa voltar a se tornar ativa...nos homens e principalmente nas mulheres...
Um beijo agradecido.
Astrid

António Rosa disse...

Astrid,

Tenho andado meio ausente da net. Visitas rápidas ao meu blogue para responder aos comentários que por lá os amigos vão deixando.

Hoje vim aqui para me surpreender positivamente com este belo texto.

Sempre a aprendermos.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

FLORES SÃO SEMPRE UMA ALEGRIA...

FLORES SÃO SEMPRE UMA ALEGRIA...
imagem google imagens