Navegam ao meu lado...

Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós.
Deixam um pouco de si. Levam um pouco de nós.
Antoine de Saint Exupéry

Translate to Arabic Translate to Bulgarian Translate to Simplified Chinese Translate to Traditional Chinese Translate to Croatian Translate to Czech Translate to Danish TTranslate to Dutch Translate to English Translate to Finnish Translate to French Translate to German Translate to Greek Translate to Hindi Translate to Italian Translate to Japanese Translate to Korean Translate to Norwegian Translate to Polish Translate to Portuguese Translate to Romanian Translate to Russian Translate to Spanish Translate to Swedish
Download this Cross-Cultural Communication Tool from Get International Clients

Cristo é a operação combinada — o encontro do finito com o infinito, tempo e eternidade se encontrando e se fundindo. Osho

TENHA UM TEMPO FELIZ!

"Diante da vastidão do tempo e da imensidão do universo, é um imenso prazer para mim dividir um planeta e uma época com você." (Carl Sagan)

EU ME SINTO GRATA E HONRADA...

EU ME SINTO GRATA E HONRADA...
...POR TODOS OS QUE AMOROSAMENTE SEGUEM ESTE BLOG!
"O ser integral conhece sem ir,
vê sem olhar e realiza sem fazer."

Lao Tzu

♥ BOM DIA ALEGRIA... BOM DIA SOL....a única sensação que tenho é que estou com os pés na areia...o resto de mim anda por aí em uma velocidade estonteante... e isso me dá ALEGRIA!!!

"Fala-se tanto da necessidade de deixar um planeta melhor para os nossos filhos, e esquece-se da urgência de deixarmos filhos melhores para o nosso planeta." autor desconhecido

POIS É...

POIS É...

"...Só aqueles que compreenderam que devem procurar o infinito, o ilimitado, o que está além do tempo e do espaço, se sentem vivos, porque a vida verdadeira é a imensidão, a eternidade. Nunca vos refugieis naquilo que é acessível, limitado: abarcai o infinito e a vossa alegria também será infinita. Será a felicidade, a luz, a força, o dilatar de todo o vosso ser." Omraam Mikhaël Aïvanhov

Pesquisar este blog

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Sobre Rãs, Capitães, Icebergs... e Águias!

O mundo está se movendo. Ou nos movemos com ele, ou nos movemos contra ele. Nesse caso, podemos não ser fortes o suficiente! As forças em movimento são enormes e incontroláveis; elas são as forças da natureza, as forças da vida. O poder para mudar é o poder para viver.
A Criação está em permanente recriação. Ela morre e renasce a todo instante. Torna-se feia e faz-se bonita novamente a cada respiração. Ela não pára de desfazer aquilo que começou tão bem; assim que afugenta a primavera, coloca o verão em seu lugar; definha-se no outono e então pega você no inverno.
A natureza, dia-a-dia, nos dá o ritmo da vida – mas para nós é difícil seguir por causa da bagagem que carregamos do passado, contendo o peso de nossas memórias e de nossa nostalgia.


Para muitos de nós, mudar implica perder. Isso nem sempre está relacionado à área consciente de nós mesmos. Envolvidos com nossos hábitos, nossas rotinas, raramente desejamos deixar áreas seguras de conforto interno. Sempre que nos afastamos de nossas zonas de conforto, significa estar em perigo. Sair da concha de nossa aparente certeza é como entrar numa selva de ignorância, angústia e, talvez, morte.
Como Woody Allen disse uma vez, “Enquanto um homem considerar-se mortal, ele nunca se sentirá relaxado” – e poderíamos provavelmente acrescentar, “e nunca realmente estará pronto para a mudança”.

Freqüentemente, a fim de se obter algo novo, deve-se renunciar a algo velho. Isso freqüentemente vai contra a natureza, pois nossa tendência é a de querer ambos – ter nosso bolo e comê-lo. Sempre desejamos ter mais; entretanto, não queremos renunciar a nossas aquisições. Por essa razão, inventamos uma qualidade maravilhosa: a adaptabilidade. Permite-nos obter coisas novas sem nos afastarmos das coisas velhas. Isso é chamado de instinto patrimonial.

A adaptabilidade é em si mesma uma bela qualidade, mas que também apresenta alguns perigos se não soubermos a que estamos nos adaptando. O organismo humano, por exemplo, adapta-se com muito sucesso ao tabaco, álcool, gorduras e até ao arsênico em pequenas doses, mas cada um pode, no fim, tornar o corpo doente e até matá-lo. A rã é lendária por sua capacidade de ajustar a temperatura do seu corpo à temperatura ambiente. Entretanto, quando ela é submersa numa panela de água que está sendo aquecida gradualmente, ela vai se adaptando... se adaptando... até que finalmente é fervida, pois falta-lhe energia para pular para fora do recipiente. Será que nós também às vezes não nos encontramos em situações onde nos adaptamos ao invés de pular, até que seja tarde demais?

Um indivíduo realmente muda quando seus maiores interesses estão em jogo. É quando ele percebe que seu equilíbrio emocional e mental, sua saúde e sua vida estão ameaçados e que, de repente, ele percebe que tem os meios para mudar. A mudança obedece pelo menos três critérios: necessidade, consciência e o poder para agir. Nessa trilogia, a informação tem um papel essencial; em outras palavras, como alguém pode apreender, entender e agir sem qualquer informação, sem saber? A necessidade essencial para a informação correta é ilustrada na história de um certo capitão de navio da marinha norueguesa, que foi pego na neblina de uma noite nos Galápagos. Seu navio era o principal da frota. Vendo uma luz trêmula bem à frente de seu navio, enviou três sinais pedindo ao navio, que levava aquela luz, para mudar o curso em vinte graus, a fim de evitar a colisão. Bem no momento final, foi ele quem precisou mudar o curso rapidamente, para evitar a colisão com aquela luz impassível, que se revelou um farol completamente estável.

A informação é o ponto crucial em qualquer processo de mudança. Não é suficiente saber que é necessário mudar; é preciso também ter o saber–como, que, nesse caso, a informação é poder. A informação não está apenas no coração do desafio da mudança, mas é também a razão pela qual há tanta resistência à mudança. A despeito de vivermos na era da informação, não estamos realmente bem-informados, pelo menos em termos de qualidade, seja sobre nós mesmos ou sobre nosso meio ambiente.

Muito recentemente um estudo publicado por dois escritores franceses, Regis e Brigitte Dutheil, um físico e um filósofo, em seu livro chamado “The Super Light Man”, revelou em que extensão o papel da informação é essencial no desenvolvimento de nossa consciência de eventos e, além disso, a moldagem de nosso comportamento. Eles nos dizem como nossa consciência sobre nosso meio está limitada à pequena capacidade de nossos órgãos dos sentidos. Nossos olhos, por exemplo, somente são capazes de perceber um espectro de cores entre 0,3 e 0,8 angstron, isto é, do azul claro ao vermelho escuro e, portanto, somos totalmente incapazes de perceber raios ultra-violeta ou infra-vermelho. O mesmo aplica-se aos nossos ouvidos, os quais não podem ouvir freqüências muito baixas ou muito altas; e ao nosso nariz, às células olfativas, as quais são incapazes de competir com as de um cachorro! Esse tipo de informação sobre nosso meio é sempre incompleto, e ainda continuamos interpretando a maneira como o mundo trabalha e a natureza da vida a partir dessas informações muito limitadas.
Se somente temos muito pouca informação sobre o nosso meio, temos até menos sobre nosso mundo interior – o modo como funcionamos psicologicamente, o mecanismo de nossos pensamentos, nossas emoções e nossos recursos pessoais. Integramos ao longo de anos – através de nossa educação, nossas experiências, nossas descobertas, nossas percepções – uma quantidade incrível de memórias que hoje constituem nosso sistema interno de referência.

Essas memórias, ligadas umas às outras no coração de uma rede interna complexa, são a mãe-terra de nossos pensamentos e também de nosso comportamento. A qualidade e força dessas memórias e o modo como nós as usamos determinam nossas emoções, nossas reações, nossos desejos e nosso estado mental. Nossa habilidade para mudar está em nosso potencial em lidar com esse banco de informação, mas, primeiro, temos de descobrir o que exatamente está no banco, isso quer dizer, temos de nos conhecer. Raramente existe qualquer outro método além daquele de mergulhar profundamente para dentro de si e ir ao indescritível pântano das memórias para tentar nos encontrar e saber onde estamos.

O ser humano é como um iceberg. Nós conhecemos apenas a parte emersa visível dele, isto é, pouco mais de dez por cento da sua personalidade. Os noventa por cento imersos estão sob a superfície, e constituem sua realidade essencial. Contudo, com tão pouca informação que temos, tentamos antecipar suas reações, prever suas mudanças, agir sobre seu comportamento. Se o vento está soprando do norte para o sul, você esperaria que o iceberg se movesse para o sul, mas, contrário às expectativas, ele move-se para o norte, porque a corrente está puxando noventa por cento da sua massa sob a superfície na direção oposta.

No caso de um indivíduo, os dez por cento conscientes não são fortes o suficiente para lutar contra os noventa por cento do subconsciente de memórias enterradas e emoções esquecidas – escondidas nas sombras do nosso passado, incógnito, mas ativo e representando uma corrente muito poderosa e invisível. Essa é uma das razões-chave de termos muitos problemas – quer seja em termos de administração organizacional ou de auto-administração. Estamos sobre-informados e submersos, com informação excessiva, irrelevante e de má qualidade sobre os dez por cento de realidade acessíveis aos nossos cinco sentidos, e sub-informados em quantidade e qualidade sobre os noventa por cento de nossa realidade. Que pena, porque todos nós possuímos recursos incontestáveis, mas nossa visão limitada de nós mesmos e nossos limites mentais nos impedem de puxá-los e expressá-los.

Isso é ilustrado pela estória do ovo da águia, que foi chocado por uma galinha. Desde o seu nascimento, o único ambiente do bebê-águia era o mundo dos frangos. Ele cresceu como um frango, comeu como um frango, correu como um frango, comunicou-se como um frango e viveu como um frango. Então, um dia, perto do fim de sua vida, ele olhou acima para o infinito do céu e admirou o majestoso planar da grande águia real, e começou a sonhar em voar como ela!

Essa estória nos ilumina sobre o incrível impacto que a informação tem sobre os nossos estágios de consciência e, além disso, sobre nosso comportamento e qualidade de vida. O excesso de informação sobre o superficial em nosso ambiente externo tira a consciência de nosso ambiente interno, o qual é essencial para captarmos sinais sutis que requerem um alto grau de sensibilidade, bem como intuição para serem percebidos. Além daquilo que nossos cinco órgãos percebem, há uma dimensão ilimitada a ser explorada. Há um campo incontestável de vibrações rico em informação de qualidade, capaz de transformar radicalmente nossa visão do mundo e de nós mesmos. Para isso, devemos parar de sermos surfistas e nos tornarmos mergulhadores para descobrir os tesouros da alma no silêncio das profundezas do nosso próprio ser.

A meditação é o caminho real para essa viagem ao centro do eu, para a busca do Santo Graal, para a busca pela perfeição, para a beleza pura do ser original. Michelângelo tinha um bom argumento para convencer os céticos, que muitos de nós nos tornamos. Um dia, ao terminar uma enorme escultura, cansado dos elogios de uma admiradora, ele lhe disse: “Senhora, eu apenas retirei a pedra que não era necessária – a perfeição estava dentro dela.”

Será que nessa consciência não estaria uma boa razão para começar a viagem na direção do centro do eu?
Marc Fourcade

Sobre Rãs, Capitães, Icebergs... e Águias!
Marc Fourcade
reflete a respeito do que você precisa para mudar o curso de sua vida.
Marc Fourcade é Consultor em Administração no campo de Desenvolvimento de Recursos Humanos e reside em Paris

Agradecimento especial à Graça Lenzi por sua colaboração!



* Todos os direitos reservados.
Reprodução permitida desde que mantida a integridade das informações e citada a autoria.
CAMPANHA DE DIREITOS AUTORAIS - APOIE E DIVULGUE ESSA IDÉIA

10 comentários:

maria de fátima disse...

Olá Astrid como eu gosto de ler o teu blogue.Beijinhos e bom Carnaval.

Isa Grou disse...

Olá Astrid,

Lindo artigo.....adorei o artigo "O que é respirar?", do seu outro blog tbém, viu! Parabéns!!
Realmente respiração é tudo...
Veja Astrid: http://marisa-shiroto.blogspot.com/search?q=como+voce+respira%3F ..... é uma de minhas postagens onde falo a respeito, ficarei muito feliz se você for lá dar uma olhada..... depois me fala o que achou, tá!

Ah....seus netinhos são muito lindos.....parabéns!!!!
Te enviarei um e-mal depois.......

Bjs.
Isa.

Astrid Annabelle disse...

Olá Maria de Fátima!
Que bom que gostas...isso me anima a continuar sempre trazendo novidades para melhorar a nossa qualidade de vida.
Meu Carnaval vai ser bom pois vou usar esse tempo naturalmente agitado para me interiorizar...
E você?
Um beijo agradecido.
Astrid

Astrid Annabelle disse...

Minha amiga Isa!
Pois é...uma coisa tão simples e ninguém se lembra, não é?
Irei ver depois o seu post...me aguarde!
Meus netinhos são demais!!!hehehehe...sou coruja mesmo!
Aguardarei seu email.
Um beijo agradecido
Astrid

maria de fátima disse...

Olá Astrid eu não gosto do Carnaval, por isso vou aproveitar estes dias para descansar um pouco.Beijinhos e bom fim de semana.

manzas disse...

O mundo adormece na cama do céu
Enquanto permaneço acordado no teu roseiral…
Vigilante no teu galante corpo, rosa sem véu
Batem janelas inquietas, pétalas em temporal

Neste momento,
Desejo
Um bom fim-de-semana
Materializado em harmonia
Com muita alegria…
Um excelente CARNAVAL
Com muito divertimento
Desmascarando amor
Com paz,
Cheio de muita folia…

O eterno abraço…

-MANZAS-

Astrid Annabelle disse...

Maria de Fátima...
eu não gosto da loucura que está o carnaval atualmente...portanto somos duas.
Bjkas.
Astrid

Astrid Annabelle disse...

Manzas,
igualmente um bom carnaval cheio de harmonia e paz!
Beijo.
Astrid

Fada Moranga disse...

Querida Astrid, grande pedagogia! A imagem do farol diz-me muito... Mesmo muito. Obrigada!
Boas meditacoes neste Carnaval! :-)
Um grande beijo*de Fada

Astrid Annabelle disse...

Fada!
Queria adivinhar seu sentimento...mas mesmo assim fico contente que lhe disse muito a imagem do farol!
Meditarei!!!!
Beijo
Astrid

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

FLORES SÃO SEMPRE UMA ALEGRIA...

FLORES SÃO SEMPRE UMA ALEGRIA...
imagem google imagens