Navegam ao meu lado...

Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós.
Deixam um pouco de si. Levam um pouco de nós.
Antoine de Saint Exupéry

Translate to Arabic Translate to Bulgarian Translate to Simplified Chinese Translate to Traditional Chinese Translate to Croatian Translate to Czech Translate to Danish TTranslate to Dutch Translate to English Translate to Finnish Translate to French Translate to German Translate to Greek Translate to Hindi Translate to Italian Translate to Japanese Translate to Korean Translate to Norwegian Translate to Polish Translate to Portuguese Translate to Romanian Translate to Russian Translate to Spanish Translate to Swedish
Download this Cross-Cultural Communication Tool from Get International Clients

Cristo é a operação combinada — o encontro do finito com o infinito, tempo e eternidade se encontrando e se fundindo. Osho

TENHA UM TEMPO FELIZ!

"Diante da vastidão do tempo e da imensidão do universo, é um imenso prazer para mim dividir um planeta e uma época com você." (Carl Sagan)

EU ME SINTO GRATA E HONRADA...

EU ME SINTO GRATA E HONRADA...
...POR TODOS OS QUE AMOROSAMENTE SEGUEM ESTE BLOG!
"O ser integral conhece sem ir,
vê sem olhar e realiza sem fazer."

Lao Tzu

♥ BOM DIA ALEGRIA... BOM DIA SOL....a única sensação que tenho é que estou com os pés na areia...o resto de mim anda por aí em uma velocidade estonteante... e isso me dá ALEGRIA!!!

"Fala-se tanto da necessidade de deixar um planeta melhor para os nossos filhos, e esquece-se da urgência de deixarmos filhos melhores para o nosso planeta." autor desconhecido

POIS É...

POIS É...

"...Só aqueles que compreenderam que devem procurar o infinito, o ilimitado, o que está além do tempo e do espaço, se sentem vivos, porque a vida verdadeira é a imensidão, a eternidade. Nunca vos refugieis naquilo que é acessível, limitado: abarcai o infinito e a vossa alegria também será infinita. Será a felicidade, a luz, a força, o dilatar de todo o vosso ser." Omraam Mikhaël Aïvanhov

Pesquisar este blog

sábado, 6 de fevereiro de 2010

Respeito a todo ser, à Mãe Terra

Se reconhecermos, como os povos originários e muitos cientistas modernos, que a Terra é Gaia, Mãe generosa, geradora de toda vida, então devemos a ela o mesmo respeito e veneração que devotamos às nossas mães. Em grande parte, a crise ecológica mundial deriva da sistemática falta de respeito para com a natureza e a Terra.
O respeito implica reconhecer que cada ser vale por si mesmo, porque simplesmente existe e, ao existir, expressa algo do Ser e daquela Fonte originária de energia e de virtualidades da qual todos provém e para a qual todos retornam (vácuo quântico). Numa perspectiva religiosa, cada ser expressa o próprio Criador.
Ao captarmos os seres como valor intrínseco, surge em nós o sentimento de cuidado e de responsabilidade para com eles a fim de que possam continuar a ser a a coevoluir.
As culturas originárias atestam a veneração face à majestade do universo, o respeito pela natureza e para cada um de seus representantes.
O budismo que não se apresenta como uma fé mas como uma sabedoria, um caminho de vida em harmonia com o Todo, ensina a ter um profundo respeito, especialmente, por aquele que sofre (compaixão). Desenvolveu o Feng Shuy que é a arte de harmonizar a casa e a si mesmo com todos os elementos da natureza e com o Tao.
O Cristianismo conhece a figura exemplar de São Francisco de Assis (1181-1226). Seu mais antigo biógrafo, Tomás de Celano (1229) testemunha que andava com respeito por sobre as pedras em atenção daquele, Cristo, que foi chamado de “pedra”; recolhia com carinho as lesmas para não serem pisadas; no inverno, dava água doce às abelhas para não morrerem de frio e de fome.
Aqui temos a ver com um outro modo de habitar o mundo, junto com as coisas convivendo com elas e não sobre as coisas dominando-as.
Extremamente atual é a figura do humanista Albert Schweitzer (1875-1965). Elaborou grandiosa ética do respeito a todo o ser e à vida em todas as suas formas. Era um grande exegeta e famoso concertista das músicas de Bach. Num momento de sua vida, largou tudo, estudou medicina e foi servir hansenianos em Lambarene no Gabão.
Diz explicitamente, numa carta, que “o que precisamos não é enviar para lá missionários que queiram converter os africanos, mas pessoas que se disponham a fazer para os pobres o que deve ser feito, caso o Sermão da Montanha e as palavras de Jesus possuam algum valor. Se o Cristianismo não realizar isso, perdeu seu sentido”.
Em seu hospital no interior da floresta tropical, em Lambarene, entre um atendimento e outro, escreveu vários livros sobre a ética do respeito, sendo o principal este: O respeito diante da vida (Ehrfurcht vor dem Leben).
Bem diz ele:"a idéia-chave do bem consiste em conservar a vida, desenvolvê-la e elevá-la ao seu máximo valor; o mal consiste em destruir a vida, prejudicá-la e impedi-la de se desenvolver. Este é o princípio necessário, universal e absoluto da ética".
Para ele, o limite das éticas vigentes consiste em se concentrarem apenas nos comportamentos humanos e esquecerem as outras formas de vida. Numa palavra: “a ética é a responsabilidade ilimitada por tudo que existe e vive” .
Dai se derivam comportamentos de grande compaixão e cuidado. Numa prédica conclamava: “Mantenha teus olhos abertos para não perder a ocasião de ser um salvador. Não passe ao largo, inconsciente, do pequeno inseto que se debate na água e que corre risco de se afogar. Tome um pauzinho e retire-o da água, enxugue-lhe as asinhas e experimente a maravilha de ter salvo uma vida e a felicidade de ter agido a cargo e em nome do Todo-poderoso. A minhoca que se perdeu na estrada dura e seca e que não pode fazer o seu buraco, retire-a e coloque-a no meio da grama. ‘O que fizerdes a um desses mais pequenos foi a mim que o fizestes’. Esta palavra de Jesus não vale apenas para nós humanos mas também para as mais pequenas das criaturas”.
Essa ética do respeito é categórica no momento atual em que a Mãe Terra se encontra sob perigoso estresse.
Leonardo Boff é autor de Convivência, Respeito, Tolerância, Vozes 2006.

A coleção é indicada ao grande público interessado na construção de um novo mundo costurado com a prática da atitude virtuosa. É leitura prazerosa e oportuna.De um jeito muito gostoso de ler e escrito para o grande público, esta coleção volume será , sem dúvida uma oportunidade de refletir , além de um presente oportuno a quem se quer bem. Troque a hostilidade pela hospitalidade. Una-se à tolerância e festeje na comensalidade o novo tempo de um outro mundo.
Virtudes para um outro mundo possívelVol. I- A hospitalidade: direito e dever de todos
O fascinante mito da hospitalidade, Báucis e Filêmon, nos desenha os contornos utópicos de um outro mundo possível. A hospitalidade, a acolhida irrestrita e recíproca é essencial para rescrever a história humana. Ela cria a base necessária para as demais atitudes que serão objeto de estudo nos próximos dois volumes: a convivência, o respeito, a tolerância até chegar ‘a comensalidade, a comunhão na mesma mesa.
Virtudes para um outro mundo possívelVol. II – Convivência, respeito, tolerância
Virtudes para um outro mundo possível põe as virtudes na prática. Aqui virtude é atitude. Atitude para com o outro. Virtude para o novo. Atitude de convivência, respeito e tolerância. A convivência é uma virtude que contém dentro de si o respeito e a tolerância. Mas, por que conviver? Como conviver? Podemos ser tolerantes com os intolerantes? Qual é o respeito que a nossa tradição ensina? Afinal, qual é o limite da tolerância? O texto parte da realidade da virtude em foco e reconstrói o seu conceito. Tematiza a virtude para viver. Para tanto busca inspiração em parábolas/metáforas onde torna visível a atitude para com o outro num leque de dimensões e possibilidades. Depois esclarece conceitos, limites, matizes, práticas e táticas para um outro mundo possível.
Virtudes para um outro mundo possívelVol. III: A comensalidade: Comer e beber juntos e viver em paz
Estar na mesma mesa, comer e beber juntos – a comensalidade – faz parte de nossas mais sagradas memórias. A hospitalidade e a convivência chamam para a mesa. A comensalidade é um sinal de paz e de acolhida. Ao redor da mesa se faz nossa humanidade. Aqui lembramos a mesa do convívio, da acolhida, do estar bem entre pessoas que queremos bem. O Ser humano não somente integra a natureza mas deve-se entregar a ela, à sua dinâmica, beleza, trabalho e vitalidade, mas... Já diz o ditado “ Saco vazio não para em pé” e infelizmente não há como andar e progredir somente na horizontal. Enquanto houver vazio na barriga, uma representação da falta de solidariedade e cidadania, a paz não permeará o planeta.
Leonardo Boff Teólogo e escritor, foi por mais de vinte anos professor de teologia no ITF/ Petrópolis e responsável pelo Editorial religioso da Editora Vozes, na qual publicou seus principais livros. Entre os quais: A águia e a galinha- uma metáfora da condição humana; O despertar da Águia; Saber cuidar- ética do humano e compaixão pela terra.

formatação:
MA JIVAN PRABHUTA
* Todos os direitos reservados.
Reprodução permitida desde que mantida a integridade das informações e citada a autoria.
CAMPANHA DE DIREITOS AUTORAIS - APOIE E DIVULGUE ESSA IDÉIA
Bookmark e Compartilhe

2 comentários:

António Rosa disse...

Schweitzer e Boff, figuras incontornáveis, que fazem parte do meu acervo. Muito os li. Muito aprendi.

Respeito pela vida.

É isso.

beijo

Astrid Annabelle disse...

Bom dia António!
Eu também sou fã do Leonardo Boff e de Schweitzer.
Conheci primeiro Schweitzer pois fazia parte do acervo de livros herdados da minha avó e mãe...do tempo que eu lia as obras clássicas em alemão...rsrsrs, muito antes do advento da internet.
Voltando ao tema...RESPEITO PELA VIDA....PROCURA-SE!!!!!
Hoje em dia o "respeito" é um ítem da educação que anda em falta!
Muito bom o texto acima...a reeducação da humanidade é um trabalho de formiguinha....
Um beijo
Astrid Annabelle

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

FLORES SÃO SEMPRE UMA ALEGRIA...

FLORES SÃO SEMPRE UMA ALEGRIA...
imagem google imagens